Com medo de ameaças, Jean Wyllys abandona mandato e deixa o Brasil

Deputado foi reeleito para o 3º mandato, ativista LGBT David Miranda assume vaga.

O deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) informou nesta 5ª feira (24.jan.2019) que não tomará posse para o novo mandato. Reeleito  com 24.295 votos, o congressista afirmou ter sofrido ameaças de morte.


Em seu perfil no Twitter, Wyllys afirmou que viverá fora do Brasil.

“Preservar a vida ameaçada é também uma estratégia da luta por dias melhores”, escreveu.

Wyllys era o único deputado declaradamente homossexual. Seu suplente é o ativista LGBT David Miranda, casado com o jornalista Glenn Greenwald, editor do site The Intercept.

Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, nesta 5ª feira, Wyllys afirmou que está no exterior e não pretende voltar ao Brasil.

Disse ter sofrido ameaças de morte e que vive com medo. Desde a morte da vereadora Marielle Franco, também do Psol do Rio, em março de 2018, estava sob escolta policial.

“O [ex-presidente do Uruguai] Pepe Mujica, quando soube que eu estava ameaçado de morte, falou para mim: ‘Rapaz, se cuide. Os mártires não são heróis’. E é isso: eu não quero me sacrificar”, disse.

De acordo com ele, também pesaram na decisão a informação de que familiares de 1 ex-PM suspeito de chefiar milícia investigada pela morte de Marielle trabalharam para o senador eleito Flávio Bolsonaro durante o mandato do filho do presidente Jair Bolsonaro como deputado estadual pelo Rio.

“Me apavora saber que o filho do presidente contratou no seu gabinete a esposa e a mãe do sicário”, afirma. “O presidente que sempre me difamou, que sempre me insultou de maneira aberta, que sempre utilizou de homofobia contra mim. Esse ambiente não é seguro para mim”.

O deputado afirmou ainda que seu partido, o Psol, reconhece que ele se tornou 1 “alvo” e apoiou a decisão de não retornar ao país.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *